quinta-feira, 15 de abril de 2010

Especial veículos militares: EE-11 Urutu

Engesa EE-11 Urutu é um veículo blindado para transporte de tropas fabricado no Brasil que está em serviço desde 1970.


Histórico

Desenvolvimento do EE-11 Urutu blindado de transporte de pessoal começou em 1970. O primeiro protótipo foi construído no mesmo ano. Produção do EE-11 Urutu começou em 1974. Inicialmente produzido para as forças armadas brasileiras, em breve o EE-11 Urutu foi exportada para a Bolívia, Chile, Colômbia, Chipre, Equador, Gabão, Iraque, Líbia, Marrocos, Uruguai e Venezuela. Cerca de 1 500 veículos deste tipo foram construídos.

Este blindado pessoal carrega tem duas camadas de blindagem. A camada externa é feita de aço duro, enquanto que a armadura interna apresenta maior viscosidade. O motor montado na frente também aumenta a proteção passiva para os ocupantes. Frente do casco fornece proteção contra Munições do tipo armor-piercing, enquanto todos proteção é contra balas de armas leves, estilhaços de minas e fragmentos de artilharia. O EE-11 Urutu é equipado com um sistema automático de supressão de fogo, porém o sistema de proteção NBC era apenas facultativa .

O EE-11 Urutu é armado com uma única metralhadora de 12,7 mm, montada em cima do telhado. Há um número de variantes do EE-11 equipado com varias torres montadas e diferentes tipos de armamento.

O EE-11 blindado de transporte pessoal tem uma tripulação de um piloto e pode transportar 12-14 soldados totalmente equipados. Tropas entram e saem do veículo através de portas laterais ou traseiros, ou pelo telhado do Veiculo. Há um número de portas fogo fornecida.

Desenvolvidos pela Engesa, o Urutu e o Cascavel foram grandes sucessos de exportação. Os dois veículos possuem muitos componentes em comum e utilizam a suspensão Engesa Boomerang. O Urutu é um blindado leve e com capacidade anfíbia. Recebeu diferentes equipamentos de acordo com as necessidades dos clientes.

Atualmente, o Urutu não pode mais ser considerado um blindado militar, pois sua blindagem é fraca demais para suportar munição perfurante moderna para fuzil. Um exemplo desta deficiência ocorreu no Haiti, quando uma bala perfurou a lataria do Urutu e feriu um militar brasileiro na mão. Mesmo obsoletos, os Urutus seguem sendo utilizados pelo exército brasileiro atualmente. Países como Chile, Jordânia e Iraque, já desativaram seus Urutus. Os mais novos Urutus possuem cerca de 15 anos de uso. A média de uso destes veículos, no exército brasileiro, é superior a 30 anos. Eles seguem em uso no Brasil, por falta de melhores recursos.

Versões


Além da versão de transporte de tropa, também foram desenvolvidas versões para outras funções:

Porta morteiro - Apoio de fogo com um morteiro de 81mm acompanhando forças motorizadas.

Missil-anticarro - Com canhão de 25mm e um lançador de missil anticarro.

Apoio de fogo - Com a mesma torre de 90mm do blindado Cascavel, podia ainda transportar seis soldados, além da tripulação.

Antiaéreo - Com torre de dois canhões de 20mm ou um canhão de 25mm e radar.

Carro-oficina - Veículo de socorro, usando o mesmo chassi, pode acompanhar facilmente a coluna de blindados.

Antimotim - Também chamada de bigode, é adicionada uma prancha antibarricada na frente do veículo e lançadores fumígenos.

Ambulância - Equipada macas e aparelhagem para primeiros-socorros.

Carro-comando - Permite ao comandante acompanhar a coluna blindada em seus deslocamentos e ter seu centro de operações dentro do próprio veículo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário